A Associação


„Pequeno mas de qualidade – Klein aber fein “ : Descrição da filosofia de trabalho da associação


 

TN 81No início das actividades da associação nos anos 1982/83, havia o desejo, por parte de alguns habitantes de Leibnitz, de ajudar uma das regiões mais pobres da África. Mas ajuda é algo polifacetado. A gama é vasta, do dinheiro à produtos, como até transferências de Knowhow. Por isso foi importante criar uma estratégia de desenvolvimento correcta, que foi encontrada depois de uma viagem de reconhecimento à P.Badejo.

Como moto da associação, criou-se a frase: “Ajuda para auto-ajuda”

Isto significava a criação de uma organização, onde os parceiros cabo-verdianos, não só estavam ligados, como também incluídos no projecto. "Learning by doing" foi uma inteligente estratégia, para associar a ajuda e a formação.
Como medida de enquadramento, foi decidido que a restrição da dimensão do projecto para facilitar uma vista geral sobre a intenção, é um dos critérios mais  importante para o trabalho da associação.

O objectivo era o de diminuir a taxa de emigração provocada pelas condições precárias do mercado de trabalho. Criou-se um conceito básico para a parceria, que tinha no inicio como foco a promoção de pequenas empresas. Este conceito foi a base para o 1. acordo da parceria com Pedra Badejo. 

Os primeiros 10 anos de desenvolvimento do projecto foram caracterizados pela presença permanente dos peritos austríacos em Pedra Badejo. Como parceiro acessível eles trabalhavam como coordenadores de projectos e instrutores na união. Com os mesmos direitos, trabalhavam os parceiros de Pedra Badejo na implantação do projecto. Depois da finalização do projecto, a associação esforçou-se para que estes peritos  ficassem ligados como conselheiros no trabalho da associação. Também havia colaboradores de Pedra Badejo que foram ligados à novos projectos na localidade. Assim conseguiu-se uma forte plataforma de interesse entre os parceiros em Pedra Badejo, os peritos da ajuda de desenvolvimento e os responsáveis pela associação em Leibnitz.

Visitas mútuas fortaleceram a amizade e a sucedida implantação das intenções comuns. A entrega dos projectos à inteira responsabilidade das autoridades cabo-verdianas no início dos anos 90, conduziu à uma nova organização no acompanhamento dos projectos. Para garantir a duração dos projectos, foram instaladas acções de curta duração para instrutores. Primeiramente esses métodos foram criticados de diferentes formas pelas agências oficiais. Pois, pouco tempo depois, os primeiros resultados da avaliação desmentiram as criticas sobre a nossa maneira de agir. Os nossos parceiros apreciaram e tiraram proveito da “Liberdade na rede” na difícil fase inicial das suas independências.

Como sinergia, este tipo de acompanhamento fortificou imensa a consciência do valor próprio e da responsabilidade. No futuro  encontrarão parceiros com mesmo direito para a troca de ideias.

Um outro critério para o trabalho específico da associação, foi fixar que ela só realizará projectos se a competência específica existir na direcção da mesma. Assim, depois da mudança do presidente em 1994 levou a colocação de um novo ponto principal nos projectos de ajuda para desenvolvimento. Naquele tempo foi definido o sector de formação como projecto direccional para os trabalhos da associação. Este a partir de então orientado especificamente na sua competência pedagógica, traz a nossa associação neste momento muitos reconhecimentos no mundo específico de trabalho de desenvolvimento mútuo. O projecto “EBIS – Formação Base Santiago” é visto como um projecto exemplar para o aperfeiçoamento dos professores no trabalho de desenvolvimento mútuo (Entwicklungszusammenarbeit). Na concepção deste projecto foi infundido toda a experiência até agora adquirida, da parceria  para a realização do programa. Como elemento moderno de transmitir conhecimentos, foi a formação “pedagógica multiplicadora” a nossa meta do projecto. O resultado do projecto justificou a estratégia aderida.

Assim com o passar dos anos de aprendizagem de ambos os lados e de esforço apareceram pedras de mosaicos, que hoje forma e ata a imagem da nossa associação como profissionais e desenvolvedores de projectos. Este êxito de 20 anos de amizade entre Pedra Badejo e Leibnitz  só foi possível, porque os engajados sócios dirigiram projectos com abrangimento a vista, que os parceiros com a sua própria velocidade, pudessem implantar para um desenvolvimento ao longo prazo.

“Klein aber fein“ comprovou para o bem dos nossos amigos em Pedra Badejo.

Verein Städtefreundschaft Pedra Badejo-Leibnitz